sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Garota Platônica, 04/12/2015

Garota Platônica

Ice Queen

Você procura alguém
Como um afogado procura o ar,
Mas quando encontra acaba por chutar-lo
Como uma criança com algo que não gosta.
Porque você somente ama quando ainda não se cansa.
E meu amor, você se cansa fácil.

Você procura o amor em todo o lugar,
Mas seu fascínio dura pouco
E isto não é o bastante para te sustentar ali.
E então você descarta e vai atrás de sua próxima vítima.

Você chora querendo sentir mais do que apenas isso,
E ri vendo o quão ruim pode ser.
Seu coração é frio como uma nevasca,
Você implora aos céus que apareça alguém que o possa aquecer

Alguém que o aqueça por mais de um curto tempo.

sábado, 8 de julho de 2017

Please, Help me...


Eu te amo, eu te odeio.
Eu quero tudo e não quero nada.
Por que estou chorando? Não entendo.
Não quero entender.

Eu respiro, o sangue circula em minhas veias,
Mas porque não me sinto viva?
Sempre querendo algo além do que posso.
Nunca sabendo exatamente o que procurar.
Sempre sendo completa e vazia ao mesmo tempo.

Meu rosto é feito de tinta.
As olheiras são tapadas, 
Os olhos são contornados para ter destaque,
Os lábios são coloridos com cores vivas,
Eu pareço estar viva, mas não me sinto assim.

Por que eu deveria me esconder?
Por que ninguém consegue enxergar?
EU ME ODEIO.
EU ME SINTO UM NADA.

Se os olhos são a janela da alma,
As pessoas ignoram os demônios que dançam refletidos nos meus?
Ou eles se escondem bem?
Eu quero ajuda, mas não quero ser salva.

Eu não quero que doa, mas eu gosto da dor.

sábado, 6 de maio de 2017

01 de Maio de 2016, 21:54

"Por alguns segundos eu encaro nossa foto, então desvio o olhar para o teto.
Fico pensando em quando você vai vir me procurar.
Quando vai sentir minha falta.
Mas talvez eu esteja exagerando, não é como se eu ligasse.
Você é uma página como qualquer outra em minha vida.
E nisso, nós duas somos iguais.
Porque eu não passo de uma página na sua também, belo anjo"

"E quando eu der meu último suspiro,
Ver a última imagem a minha frente e sorrir,
Eu lembrarei que te amar foi o pior crime que cometi"
(Anônimo)

sexta-feira, 3 de março de 2017

Desprezível.


O descaso sempre esteve estampado em minha testa.
Não importava se eram flores ou xingamentos, nada parecia me atingir.
Não, isso não mudou.
O garoto tão errado que parecia certo também não significava nada.
Meu antigo amor marcado à ferro também.
Porque nada me atingia como deveria.

Por muito tempo me escondi na penumbra de meu quarto enquanto chorava,
Chorava por mim mesma, não entendia porque não sentia o que deveria sentir.
Nada era capaz de acalentar à mim.
Nada, nem ninguém.
Tão oca, tão nada.
Basicamente, esta sou eu.

Sempre mantive minha fachada de vítima, 
Mas não sou uma vítima.
Não sou uma coitada.
Não deveriam me fitar com olhares penosos pensando que merecia encontrar alguém,
Simplesmente porque minha maior diversão sempre foi brincar com sentimentos alheios.
Não deveriam me achar bondosa por me arriscar pelos outros,
Simplesmente porque não faço com bondade e sim para que pensem "Uau, ela é incrível".
Não deveriam dizer que sou uma garotinha amável,
Primeiro, porque não amo ninguém.
Segundo, porque sou desprezível.

Os elogios me contentaram por certo tempo.
Mas aquilo não era suficiente. 
E então vieram minhas conquistas, quanto mais difícil melhor, quanto mais conseguisse brincar melhor.
Mas quando se declaravam tudo perdia a graça, meus brinquedos já não eram divertido.
Por fim, manipular. Era divertido manipular as situações e vê-las saírem exatamente do jeito que queria.
Era divertido controlar as pessoas. 
.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Me, and Me, Only Me.



Eu tive várias aventuras,
Poucos amores. 
Mas destes poucos, apenas um capaz de me marcar à ferro.
Seu nome era o masculino do meu, sua personalidade era a minha.
Parecíamos a versão de sexos diferentes um do outro, até mesmo nossos aniversários eram perto.
Por algum tempo fomos amigos, em outro tempo um pouco mais do que isso.
E por muito tempo, o ultimo pensamento do outro ao deitar.

Quantos anos se passaram? Três? Quatro? 

Parece tão distante agora.
E então ele se foi para outro estado, "recomeçar" dizia ele.
Mas suas promessas para mim permaneciam, sempre tinham algo sobre ficarmos juntos um dia.
Suas promessas se consistiam em uma casa, um espelho d'água no jardim e uma família. 
Nossos filhos com nomes de estrelas, nosso jardim cheio das mais diversas plantas.
Nossa época preferida era o natal, sonhávamos com nossa árvore, nossa casa decorada.
Nosso mais amado conto de fadas.

Mas algo em mim parecia tão fora disso, 

Não parecia certo que ele esperasse por mim.
E então prometemos que se um dia viéssemos a gostar de outro alguém, contaríamos ao outro primeiro.
Nossas conversas persistiram, todos os dias, até que então diminuíram.
Seus status nas redes sociais pareciam sempre cheios de indiretas para mim.
Suas fotos pareciam sempre conter alguma legenda que me ofendesse indiretamente.
E eu o confrontava cada vez mais, lembro que ele ria e dizia que eu estava louca.
Havia apenas a mim, ele dizia. Dizia que eu ficava bonita brava.

Eu não aguentava mais aquela situação.


As conversas se tornaram mais escassas e então eu iria para sua cidade nova.

E mais do que tudo, eu queria vê-lo.
Mas ele não queria me ver.
Sua recusa foi como um punho em meu estomago. 
E então eu me afastei, não o procurei.
E então chegou meu aniversário, nenhuma mensagem sua. 
Passaram-se alguns dias, seu aniversário havia chegado. 
Relutei por um bom tempo, mas lhe enviei feliz aniversário.
E seu descaso me atingiu em cheio.
O natal chegou, e com ele a primeira foto.
A moça ao seu lado sorria, eles pareciam tão contentes.
E então ele mudou seu status.

Fui jogada de lado. 

Senti raiva, raiva pela promessa de contarmos se nos apaixonássemos, quis gritar o quão mentiroso era.
Mas não chorei quando se foi, nenhum sentimento de tristeza me atingiu. 
Não senti a solidão desesperadora do vazio porque o vazio sempre esteve lá.
E então eu percebi que a mentirosa era eu.
Eu não o amava há muito tempo, mas permanecia presa as lembranças.

E então apareceu o garoto problemático. 

Ele parecia tão errado, mesmo assim tão honesto.
"Conheci minha ex em uma orgia"
Fiquei chocada com suas palavras, como podia falar tão abertamente?
E então eu vi, vi o modo como ele via, o modo como conseguia ver gentileza em tudo.
E então, ele veio a mim aos pedaços. 
Conforme ele desabafava, eu me encantava. 

"Eu era usuário, não posso te esconder isso.

Fiz muita coisa errada, perdi gente querida pra mim e admito, ainda sou um pavio curto, mas Blue, este sou eu e apenas eu."
Ele era tão quebrado como eu, tão errado que me parecia certo.
Quando meu ultimo pensamento do dia passara a ser ele, percebi que ele poderia ser minha ruína.
E então eu cheguei à conclusão que não me importaria de quebrar novamente se fosse por ele.

Se machucar é algo inevitável, as coisas mudam assim como as pessoas.

O tempo vai e vem, e você não pode evitar se ferir.
Mas você pode decidir por quem vale a pena se machucar.